CONSUP

O Conselho Superior – CONSUP é o órgão máximo da Faculdade de Cafelândia, de natureza deliberativa e normativa, cuja atribuição é a de zelar pela qualidade e excelência das atividades institucionais. Ao CONSUP compete definir os rumos que a instituição deve seguir, ou seja, definir suas políticas de funcionamento acadêmico e administrativo.

 

O CONSUP é composto por representantes de toda a comunidade acadêmica:

  • O Diretor Geral, seu Presidente;
  • Um representante da Mantenedora;
  • O Diretor Administrativo e Financeiro;
  • O Diretor Acadêmico;
  • Um representante técnico-administrativo;
  • O coordenador de curso;
  • Representantes do quadro docente;
  • Um representante do corpo discente.

 

Ao CONSUP cabem as seguintes atribuições:

  • Exercer, como órgão consultivo e deliberativo, a jurisdição da Faculdade;
  • Elaborar e aprovar o seu Regimento e seus Regulamentos;
  • Elaborar, reformar e aprovar o Regimento da Faculdade, conforme legislação vigente, submetendo-o à aprovação do órgão federal competente;
  • Deliberar sobre os relatórios da Diretoria Geral;
  • Aprovar e submeter à aprovação da Mantenedora e do órgão federal competente, a criação de cursos de graduação, observados os recursos postos à sua disposição conforme a legislação vigente;
  • Outorgar, por iniciativa própria ou por proposição da Diretoria Geral, o título de “Professor Honoris Causa”, de “Professor Emérito”, de “Benemérito” e de “Honra ao Mérito”.
  • Determinar medidas que previnam atos de indisciplina coletiva;
  • Sugerir à entidade mantenedora a incorporação de estabelecimentos de Educação Superior ou de instituições complementares de reconhecida idoneidade;
  • Decidir em última instância sobre quaisquer recursos que lhe forem submetidos;
  • Resolver, quando for o caso, assuntos relacionados com o interesse da Faculdade, mesmo não previstos neste Regimento;
  • Deliberar sobre as condições da contratação ou dispensa de professores para os diversos cursos da Faculdade;
  • Exercer em instância superior o poder disciplinar;
  • Rever suas próprias decisões;
  • Propor à Entidade Mantenedora o plano orçamentário anual, mediante analítico e indicativo das prioridades institucionais;
  • Determinar a apuração das responsabilidades dos titulares de cargos ou funções acadêmicas e administrativas quando, por omissão ou tolerância, permitirem ou favorecerem o não cumprimento da legislação pertinente, deste Regimento ou de outras normas e regulamentos internos;
  • Deliberar sobre expedientes, representações ou recursos que forem encaminhados pelo Diretor Geral;
  • Constituir comissões de estudo, de assessoria ou de apoio a programas, cursos ou atividades;
  • Aprovar e submeter à mantenedora, acordos, contratos ou convênios com instituições públicas ou privadas, nacionais, estrangeiras ou internacionais;
  • Instituir símbolos, bandeiras e flâmulas no âmbito da instituição;
  • Deliberar sobre propostas de criação, incorporação, suspensão, fechamento de cursos de habilitações de graduação e pós-graduação, oriundas de Faculdade e submeter à aprovação do órgão federal competente os casos de sua competência;
  • Exercer as demais atribuições que se enquadrem no âmbito de suas competências.